Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3900, 7o andar,

Itaim Bibi, São Paulo-SP

Consulta presencial

(11) 98984-1934

Perspectivas de casos de câncer com o uso de agrotóxico

O envelhecimento da população brasileira deve crescer nas próximas décadas. Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra aumento da expectativa de vida de 3,3 anos em dez anos. O número de idosos aumenta e o panorama das doenças deve se alterar significativamente. Temos um declínio das enfermidades infecto-parasitárias, típicas de nações em desenvolvimento, passando por um aumento das chamadas Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), como hipertensão arterial, diabetes, entre outras.

O aumento do número de casos de câncer é outro desafio que temos pela frente. Para o triênio 2020-2022, o Inca (Instituto Nacional de Câncer) estimou 625 mil novos casos de câncer por ano. No período anterior, entre 2018 e 2019, a projeção era de 600 mil novos registros anualmente. Para responder a essa demanda crescente de tratamento, cientistas do mundo todo têm investido em pesquisas oncológicas com destaque para o ramo denominado de medicina de precisão. Os resultados desses estudos têm permitido alcançar sucesso nos tratamentos de vários tumores cancerígenos em milhares de pacientes. Os cientistas encontraram nas terapias genéticas, por exemplo, que atuam nas mutações dos genes das células defeituosas para eliminá-las, uma técnica complementar aos métodos tradicionais – quimioterapia, radioterapia ou cirurgia. Esse é um passo importante e traz otimismo para enfrentar doenças que, até pouco tempo, considerávamos incuráveis.

Porém, os avanços das pesquisas oncológicas são apenas uma parte do esforço que precisamos compreender para que as próximas gerações tenham melhores perspectivas de vida. A prevenção deve ser outro pilar a guiar a saúde da população, buscando a melhoria da qualidade de vida com práticas regulares de atividade física e alimentação saudável. E nesse quesito, precisamos reavaliar práticas adotadas até o momento. O uso intensivo de agrotóxico avança na contramão dos alertas dos pesquisadores do mundo todo, aumentando os riscos para a saúde da população.

O uso de pesticidas nas lavouras não é exclusividade brasileira. A adoção dessa prática tem garantido ao agronegócio atender à crescente demanda de alimentos. Porém, o custo para saúde vem passando por questionamentos frequentes. Em 2015, por exemplo, a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) publicou uma avaliação da carcinogenicidade de cinco ingredientes ativos de agrotóxico agregando estudos de onze países, incluindo o Brasil. O levantamento mostrou que a malationa, a diazinona e o glifosato, autorizados e amplamente aplicados nas lavouras brasileiras, estão entre aqueles que apresentam grandes riscos para a população. De acordo com a OIT (Organização Internacional do Trabalho), os agrotóxicos respondem por mais de 70 mil intoxicações agudas e crônicas todos os anos e que evoluem para óbito. A entidade registra ainda sete milhões de casos de doenças agudas e crônicas não fatais relacionadas ao uso dos pesticidas.

A presença de agrotóxicos não se limita aos alimentos in natura. Devido ao processo de bioacumulação, vamos encontrar sua presença inclusive em produtos alimentícios processados pela indústria como pães e biscoitos, que têm o trigo, o milho e a soja como ingredientes. Uma parcela significativa da humanidade já percebeu o potencial nocivo desses insumos agrícolas e por isso, assistimos uma tendência mundial por escolha de produtos orgânicos para o consumo no dia a dia.

Os impactos do agrotóxico na saúde da população têm angariado a atenção de pesquisadores ao redor do mundo. Os estudos toxicológicos detalham a maneira como as moléculas dos pesticidas atuam provocando tumores cancerígenos. Esses produtos atuam de maneira a iniciar e acelerar as mutações nas células cancerígenas, provocando o surgimento de diversas neoplasias como câncer de mama, testículos e fígado. As gestantes expostas aos pesticidas correm maior risco de ter filhos com possibilidade de diagnóstico de leucemia e linfoma.

A liberação do uso desses insumos agrícolas deve ser assunto de um debate amplo e importante para o futuro da saúde da população. As pesquisas científicas caminham para encontrar soluções para um dos males mais preocupantes para a humanidade. As descobertas ampliam as possibilidades de tratamento dos tumores cancerígenos, reduzindo os efeitos colaterais dos métodos tradicionais, como a quimioterapia. O sucesso dessas novas técnicas não pode esbarrar numa expansão de casos devido ao uso intensivo de pesticidas nas lavouras. Caminhamos para uma equação contraproducente, buscando, de um lado, novas terapias ao mesmo tempo em que não conseguimos reduzir fatores que impulsionam o diagnóstico da doença. Temos o desafio de buscar um equilíbrio como forma de ter um futuro mais saudável e com qualidade de vida.

Artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo: https://opiniao.estadao.com.br/noticias/espaco-aberto,casos-de-cancer-e-uso-de-agrotoxico-perspectivas,70004056068

Outras publicações do Blog

Novos caminhos da oncologia

Os avanços da ciência têm proporcionado respostas para diversos males que afligem a população. Nessa pandemia, por exemplo, a agilidade dos cientistas na produção de uma vacina para combater o novo coronavírus

Novas abordagens para o câncer de mama

O tratamento do câncer de mama conta com o avanço da ciência para uma abordagem mais ampla, que pode incluir aos tradicionais procedimentos de cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

Lições da pandemia para a oncologia

Os primeiros momentos da pandemia do novo coronavírus trouxeram pânico para a população mundial. O desafio de combater um inimigo pouco conhecido e com uma capacidade gigantesca de transpor continentes foi enfrentado de maneiras diferentes pelos países.

Tratamento do câncer e o CRISPR

A tecnologia de edição de genes CRISPR vem ganhando novas aplicações e tem potencial para transformar o diagnóstico e o tratamento de diversas doenças, como alguns estudos já aplicados em terapias para o câncer.

O sucesso dessas novas técnicas já permite vislumbrar, num horizonte de curto e médio prazos, a abordagem do câncer como uma doença crônica, mas ao mesmo tempo controlável quando bem acompanhada.

Estadão: Oncologia de precisão cada vez mais próxima 

O sucesso dessas novas técnicas já permite vislumbrar, num horizonte de curto e médio prazos, a abordagem do câncer como uma doença crônica, mas ao mesmo tempo controlável.

Na oncologia, as vacinas têm protegido a população de infecções por vírus que podem causar câncer. É o caso de algumas cepas do papiloma vírus humano (HPV).

Veja Saúde: Vacina no tratamento do câncer

As recentes pesquisas utilizando o RNA mensageiro nas vacinas contra a Covid-19 são um dos caminhos possíveis para a oncologia. Um dos diferenciais desse método é facilitar a criação de vacinas sob medida.

O isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus trouxe reflexos diretos para o diagnóstico e o tratamento de diversos males que afetam a população. Os pacientes oncológicos estão no grupo que postergou os cuidados com a doença com reflexos diretos tanto no sistema público quanto no privado. Hospitais e clínicas registram até 70% de adiamento das cirurgias nos momentos de pico da pandemia.

Estado de Minas: A oncologia na pandemia 

Os adiamentos de diagnóstico e tratamento das doenças oncológicas já trazem reflexos diretos para o sistema de saúde, que registra grande procura, principalmente pelas cirurgias eletivas.

Ter um estilo de vida mais saudável e evitar a exposição a substâncias ocasionais é o objetivo primordial para evitar o câncer. Muitas vezes as nossas próprias escolhas são o melhor fator de proteção

Podemos evitar 30% dos cânceres

Ter um estilo de vida mais saudável e evitar a exposição a substâncias ocasionais é o objetivo primordial para evitar o câncer. Muitas vezes as nossas próprias escolhas são o melhor fator de proteção

Assim como há 50 anos contávamos com poucas ferramentas para diagnosticar e tratar das doenças oncológicas, o futuro traz otimismo ampliando a abordagem e o alcance de resultados positivos.

Longevidade e perspectivas na oncologia

O futuro traz otimismo ampliando a abordagem e o alcance de resultados positivos. Uma vida longeva, com hábitos saudáveis e qualidade de vida é uma possibilidade cada vez mais presente para todos.

O isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19 trouxe profundas mudanças no nosso cotidiano. Por um bom tempo ainda precisaremos tomar cuidados para evitar a proliferação do novo coronavírus. Para os pacientes oncológicos, essa precaução precisa ser redobrada diante de um quadro clínico de baixa imunidade.

Telemedicina na pandemia da Covid-19

O isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19 trouxe profundas mudanças no nosso cotidiano. Por um bom tempo ainda precisaremos tomar cuidados para evitar a proliferação do vírus.

Os impactos da pandemia da Covid-19 são imensos na área da saúde. A dedicação de médicos, enfermeiros, assistentes e demais profissionais tem recebido elogios mundo afora. O novo coronavírus traz ainda um outro grande desafio. Precisamos atender essa avalanche de pacientes que são infectados diariamente, aumentando a demanda tanto do sistema público de saúde como da rede particular. Porém, as pessoas continuam adoecendo de câncer, diabetes, problemas cardíacos, entre outras enfermidades.

Diário do Grande ABC: Covid-19 e os pacientes com câncer

Precisamos atender os pacientes infectados diariamente, aumentando a demanda tanto do sistema de saúde. Porém, as pessoas continuam adoecendo de câncer, diabetes, entre outras enfermidades.